Travel and border information for Norway

Information in Norwegian / English

Landsat from space - Foto:NASA
NASA

Novas imagens de satélite permitirão que qualquer pessoa, em qualquer lugar, monitore o desmatamento tropical.

Novas imagens de satélite permitirão que qualquer pessoa, em qualquer lugar, monitore o desmatamento tropical.

Na quarta-feira, 23 de setembro de 2020, o Ministério do Clima e Meio Ambiente da Noruega celebrou um contrato no valor de até NOK 400 milhões (aproximadamente USD 43 milhões) com a Kongsberg Satellite Services (KSAT) e seus parceiros Airbus e Planet, para fornecer acesso universal a monitoramento por satélite de alta resolução dos trópicos a fim de apoiar os esforços para impedir a destruição das florestas tropicais do mundo. 

“Isso revolucionará o monitoramento florestal global. Uma melhor compreensão do que está acontecendo nas florestas tropicais ampliará os esforços para proteger esses inestimáveis ecossistemas​”, disse o Ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Sveinung Rotevatn. 

Melhores informações salvam florestas tropicais.

Agora estão disponíveis imagens de satélite tão detalhadas que é possível ver até se uma única árvore foi cortada. No entanto, essas imagens são muito caras e apenas alguns agentes privados têm acesso a elas. Através da Iniciativa Internacional de Clima e Floresta da Noruega (NICFI, na sigla em inglês), o governo Norueguês está agora tornando as imagens acessíveis e gratuitas para todos.

As imagens de satélite de alta resolução fornecem uma visão geral de todas as florestas tropicais ao redor do mundo, e essas imagens serão atualizadas mensalmente. Os usuários podem acessar arquivos de imagens que incluem dados desde 2015. Isso permite que se veja o desenvolvimento ocorrido nas florestas ao longo de vários anos.

“Pequenas comunidades podem agora ser vistas e ouvidas em sua luta contra empresas que roubam seus territórios legítimos. Os supermercados do mundo também podem monitorar as exigências feitas por seus fornecedores em relação à produção sustentável de soja, óleo de palma e outras matérias-primas”, disse Rotevatn. 

As imagens serão gratuitas. Isso significa que qualquer pessoa em todo mundo pode detectar o desmatamento que estiver ocorrendo em áreas muito pequenas, sejam autoridades, empresas que compram matérias-primas associadas ao desmatamento, investidores, jornalistas, cientistas, organizações indígenas ou ONGs.

Ferramenta poderosa para povos indígenas.

Não menos importante, as informações das imagens de satélite são importantes para as organizações indígenas. O líder indígena Ianukulá Kaiabi Suiá, da Associação Terra Indígena do Xingu (ATIX), tem grandes expectativas para as novas imagens de satélite. Ele representa o território indígena São Félix do Xingu no Brasil, uma das áreas mais vulneráveis ​​da Amazônia.

“Imagens de satélite são uma ferramenta poderosa, pois é melhor compreendida pelas comunidades indígenas em comparação com fontes de dados baseada em números. Essas imagens permitirão às comunidades entender melhor a localização e dimensão dos problemas, para que suas ações sejam melhor planejadas ”, afirma Ianukulá Kaiabi Suiá.

O Ministro do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Colômbia, Ricardo José Lozano Picón, ressalta que a Colômbia nos últimos anos desenvolveu um sistema de monitoramento avançado, mas que um gargalo é que as imagens de satélite de alta resolução são muito caras.

“Com o novo investimento da Noruega em imagens de satélite de alta resolução disponíveis gratuitamente, a Colômbia continuará tendo acesso a observações de satélite frequentes e detalhadas. Isso irá melhorar o monitoramento e o manejo de nossas valiosas florestas ”, afirma Lozano.

Tecnologia está salvando florestas tropicais.

A Iniciativa Internacional de Clima e Floresta da Noruega (NICFI, na sigla em inglês) já vem apoiando o monitoramento de florestas tropicais por satélite há muitos anos, inclusive por meio de uma colaboração com a Google e o World Resources Institute chamado Global Forest Watch. Esse projeto utiliza imagens de satélite para detectar mudanças nas florestas.

A Noruega também apoia a SEPAL, uma ferramenta de análise desenvolvida pelo Programa Mundial de Alimentos da ONU que ajuda os países com florestas a obter uma visão geral do desmatamento e do uso da terra. Ambos os serviços serão fortalecidos por esta aquisição.

“Nós já tivemos progressos importantes no fornecimento de informações abertas e acessíveis sobre onde e por que o desmatamento está ocorrendo. Essa tecnologia é usada por jornalistas, organizações e indivíduos em todo mundo todo e ajuda a salvar florestas e natureza importante. Agora, estamos tomando mais um passo adiante. A luta para combater o desmatamento e o crime florestal é mais importante do que nunca”, disse Rotevatn.

A Noruega tem acordos com vários países com florestas tropicais, incluindo Indonésia e Colômbia, para reduzir as emissões causadas pelo desmatamento. Melhores imagens reduzem as incertezas associadas às estimativas.

Licitação competitiva abrangente.

A aquisição é o resultado de um amplo processo de licitação competitivo liderado pelo Ministério do Clima e Meio Ambiente através da iniciativa de clima e floresta. O contrato será celebrado com Kongsberg Satellite Services (KSAT), incluindo os subcontratados Airbus e Planet.

 

KSAT e seus parceiros Planet e Airbus apresentaram a oferta com a mais alta qualidade. Isso inclui dados históricos que mostram o que aconteceu no passado e dados frequentemente atualizados sobre os próximos anos. Os termos de licenciamento da licitação são especialmente bons. Eles permitirão a todos o acesso a dados de satélite em alta resolução, sem restrições de uso e distribuição, afirma Andreas Dahl-Jørgensen, Diretor Geral do NICFI.