Desmatamento da Amazônia brasileira desacelerou em 2017.

 O desmatamento na Amazônia brasileira caiu 12% no ano florestal de 2017, em comparação com o ano anterior, de acordo com dados confirmados pelo Ministério do Meio Ambiente do Brasil. "Esta é uma boa notícia e números encorajadores para a Amazônia, o clima global e para a parceria da Noruega com o Brasil", disse o ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Ola Elvestuen.

O ministro disse que o Brasil alcançou resultados impressionantes na Amazônia na última década.

“No total, o desmatamento reduzido equivale a cerca de 5 bilhões de toneladas de CO2 não emitidas na atmosfera. Em comparação isso é quase 100 vezes mais do que as emissões anuais da Noruega” disse Elvestuen. A Noruega pagou cerca de 220 milhões dessas toneladas.

 

  Amazonas regnskog fra lufta

Foto: O desmatamento anual na Amazônia brasileira é pouco mais de 60% menor do que há dez anos. Em 2017, o desmatamento diminuiu em 12% em comparação, depois de dois anos com aumento. Crédito: Snorre Tønset / KLD (Ministério do Clima e Meio Ambiente, Noruega)

 

O desmatamento anual na Amazônia brasileira é agora cerca de 60% menor do que há uma década antes do país implementar reformas florestais importantes ou estabelecer e a parceria com a Noruega.

“As reduções no desmatamento desde 2005 estão entre as medidas climáticas e ambientais mais importantes do mundo na última década”, disse Elvestuen.

Nos anos florestais de 2015 e 2016, mensurados de agosto a julho, o desmatamento aumentou um pouco em comparação com os anos recorde de baixa entre 2011 e 2014. Isso gerou preocupação de que uma tendência negativa e ascendente estava se desenvolvendo. O fato de que os números do desmatamento estão caindo agora é, dessa maneira, muito positivo, disse o ministro.

“O aumento do desmatamento nos últimos dois anos gerou preocupação e ainda há muito trabalho a ser feito. Mas esses números mostram que o governo brasileiro reagiu bem implementando contramedidas. Igualmente, o apoio da Noruega através do Fundo Amazônia teve um efeito positivo”, disse Ola Elvestuen.

O declínio no desmatamento em 2017 ocorreu apesar de uma situação política turbulenta no Brasil e dos altos preços das commodities, o que contribui para o desmatamento. De acordo com a liderança do IBAMA, um importante motivo para a redução do desmatamento é que a organização recebeu financiamento da Noruega através do Fundo Amazônia. Isso permitiu maiores esforços para intervir contra o desmatamento ilegal extensivo causado por garimpeiros e interesses fundiários ilegais.

“O crime ambiental é um problema global e uma causa central do desmatamento e das emissões de gases de efeito estufa no mundo. Nesse sentido, a Noruega tem contribuído diretamente para combater o crime ambiental e reduzir o desmatamento, o que é muito positivo” disse o ministro Ola Elvestuen.

“No futuro, fortaleceremos ainda mais esse trabalho, tanto em nossa cooperação com o Brasil, como com parceria junto a outros países, como por meio de iniciativas globais”.

 

 Grafikk avskoging brasilGráfico: O gráfico mostra o desmatamento anual na Amazônia brasileira. Quando o desmatamento está abaixo da taxa média de desmatamento em uma década anterior, chamada nível de referência, o Brasil recebe pagamento da Noruega pelos resultados. O nível de referência é ajustado a cada cinco anos. Crédito: KLD (Ministério do Clima e Meio Ambiente, Noruega)