Checklist for all applicants

 

 

Requisitos para obtenção de Visto Schengen

  1. INFORMACÃO GERAL
  • Angolanos e alguns estrangeiros residentes em Angola necessitam de visto para entrar no espaço Schengen, mesmo para uma permanência de curta duração. Os países que pertencem o espaço Schengen são: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslovénia, Eslováquia, Espanha, Estónia, Finlândia, Franca, Grécia, Hungria Islândia, Itália, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Países Baixos, Portugal, Republica Checa, Suécia, Suíça e Polonia.  
  • O país autorizado a receber o pedido de visto é determinado inicialmente pelo motivo e duração da viagem e secundariamente consoante o primeiro país de entrada no espaço Schengen.
  • A entrega do pedido do visto deve ser feita pessoalmente, excepto nos casos em que o Consulado permita que o pedido de visto seja feito junto de consulados honorários, intermediários comerciais ou prestadores de serviços externos devidamente mandatados para o efeito (consultar o serviço consular para informação mais detalhada). Devem ser apresentados os originais dos documentos mencionados.    
  • Faça o seu pedido de visto atempadamente, tendo em conta todas as formalidades necessárias. No entanto, não é possível receber um pedido de visto três meses antes da data de viagem.
  • Os pedidos serão apreciados no prazo de 15 dias de calendário a contar da data da entrega do pedido, salvo disposição mais favoráveis definidas no âmbito de acordos bilaterais. Este período poderá ser prorrogado até ao prazo máximo de 60 dias, sobretudo quando carece de uma investigação mais profunda. O processamento de pedidos incompletos poderá ter implicações negativas no que respeita ao prazo máximo de 15 dias.
  • O pagamento da taxa de pedido de visto não garante a aquisição do visto. Não é possível o reembolso.
  • A documentação inerente ao processo de visto deve estar em inglês. ( Carta de Chamada)
  • O passaporte é carimbado no acto da entrega do processo, se o visto for concedido coloca-se a vinheta sobre o carimbo, se não for concedido o carimbo ficara visível no passaporte.  

      

  1. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PEDIDO DE VISTO DE  (PERMANÊNCIA ATÉ 90 DIAS):

MOTIVO   DE VIAGEM

DOCUMENTOS   NECESSÁRIOS

Viagem   de serviço oficial

1- 2,   3,4,6,13

Turismo

1- 2,3,4,5,   7, 8, 9, 11,14

Visita   a família ou amigos

1- 2,3,4,   5, 7, 8, 9, 10, 11,14

Razões   médicas/humanitárias

1- 2 3   4,5  9,  15, 16

      

  1.  Formulário. A Embaixada Real de Noruega não aceita o formulário impresso. O pedido de visto deve ser registrado online através deste link: https://selfservice.udi.no/ 
  2. Uma fotografia recente, formato 35x45, frontal com fundo claro (recomendações especificas para a fotografia disponível em http://www.icao.int
  3. Passaporte/Documento de viagem válido. O documento não devera ser mais antigo que 10 anos na altura do pedido de visto e deve ser válido por mais seis meses além da permanência prevista. O passaporte deve ter um mínimo de 2 folhas em branco, livres. Estrangeiros residentes em Angola necessitam de uma autorização de permanência, valida por mais de três meses além do período de validade do visto pedido. 
  4. Cópias do passaporte e/ou do bilhete de identidade (para estrangeiros também cópia de autorização de permanência). 
  5. Seguro Médico de viagem, válido para todos os países Schengen e que abranja todo o período de permanência no espaço Schengen, cobrindo eventuais despesas que possam surgir relacionadas com repatriamento por razões médicas, atendimento de urgência      médica, o tratamento de emergência hospitalar ou óbito durante estadia. A cobertura mínima incluindo repatriamento. As seguintes categoria de pessoas estão isentas da necessidade de apresentar o seguro médico: Familiares directos de cidadãos da EUR e da Suíça (conjugue, filho ou ascendente dependente, com comprovativos destes laços familiares), titulares de passaportes diplomáticos, marinheiros profissionais e outras categorias profissionais que oferecem cobertura a nível de seguro médico equivalente.
  6. Convite emitido por uma empresa ou autoridade para participar numa reunião, conferência ou evento comercial, incluindo todos os detalhes (dia da chegada e de partida do país de destino). Uma carta de entidade empregadora, assinada por um director e com o seu documento de identificação, delineando a situação laboral, o      motivo da deslocação e que se responsabiliza pelos custos da estadia e a viagem de regresso a Angola. 
  7. Convite Emitido pelas autoridades locais e/ou termo de responsabilidade acompanhado da cópia do passaporte, cópia do cartão de residência ou reserva do hotel. 
  8. Extracto (s) recente de conta bancária, para quem assuma os custos de viagem. 
  9. Reserva de voo confirmada. 
  10. Caso a pessoa que convida também pretenda responsabilizar-se por todos os custos financeiros da viagem, a mesma terá que assinar uma declaração de garantia que poderá encontrar nos seguintes links: 

Noruega                            https://www.udi.no/ 

Suécia                               www.migrationsverket.se 

Islândia                             http://www.utl.is/images/2017/Abyrgdaryfirlysing-2018-08.pdf 

Swiça                                (Declaration de prise en charge) 

Dinamarca                      (Udlændingestyrelsen) 

Esta declaração deve ser assinada e autenticada pela policia de imigração do respetivo país e anexar comprovativo de meios suficientes para cobrir estes custos (Ex: recibos de vencimento recentes ou extracto bancário). 

  1. Se não for trabalhador por conta de outrem e/ou alguém com rendimento próprios, dirija uma carta para a Embaixada/ Consulado-Geral, explicitando a actividade que desenvolve e o motivo da viagem. 
  2. Para trânsito será adicionalmente necessário: Visto do país do destino final. 
  3. Nota da instituição responsável indicando o motivo de viagem e uma declaração em como a instituição assume a responsabilidade dos custos. No caso de detentores de passaportes diplomático, serviço, oficial ou especial: estes passaportes são emitidos      especificamente para serem usados em viagens oficiais. Nesse sentido, uma Nota Verbal do Ministério dos Negócios estrangeiros deve ser apresentada (ou, se o pedido é feito noutro país que não o de origem de requerente, uma Nota da missão diplomática acreditada neste pais). 
  4.  Requerentes menores: Assinatura de ambos os pais ou da pessoa com responsabilidade pela criança. Se o menor viajar sozinho ou apenas com um dos pais deve apresentar uma fotocópia da autorização do responsável legal ou da autoridade parental ou do outro progenitor que não esteja viajando, e esta de declarar que o menor esta autorizado a fazer a viajem, o itinerário completo, identificação da pessoa responsável (maior) que acompanhara o      menor (bem como uma fotocopia do visto valido ou outro que permita a pessoa viajar) e a identificação da pessoa que se ocupara dos menores no território Schengen. Esta autorização deverá ser uma fotocópia do original com as assinaturas por um notário Angolano e o pelo Ministério das Relações Exteriores. O menor deve viajar com a autorização original. Obviamente haverá excepções a esta regra se o único pai com quem o menor for viajar detiver a autoridade parental sozinho. 
  5. Certificado de um médico ou instituição medica atestando que o necessário tratamento medico não esta disponível no pais de origem e um documento oficial da instituição medica no pais de destino confirmando que aceita o paciente e que pode executar o tratamento médico necessário. 
  6. Comprovativo de meios financeiros suficientes para pagar o tratamento medico e despesas relacionadas ou prova de pré-pagamento do tratamento.

 

  1. TAXA DE PEDIDO DE VISTO

 

- Adultos:60 Euros

- Crianças entre 6 a 12 anos: 35 Euros

- Gratuito: Menores de 6 anos, Titulares de passaportes Diplomáticos e de Serviço e outras categorias em circunstância específicas (consular o serviço consular para informações mais detalhadas).    

A taxa do visto em USD/AOA e calculada a taxa de cambio de referencia directamente pela missão consular ou de acordo com instruções recebidas das respectivas autoridades competentes dos Estados Membros.